Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Você sabe a diferença entre Peçonha e Veneno?

Você já deve ter ouvido nos programas e entrevistas na televisão os termos peçonha e veneno sendo utilizados de forma alternada e indiscriminada para se referir a uma mesma substância produzida por algum tipo de animal, normalmente perigoso e temido, como cobras, aranhas e escorpiões. E isso, provavelmente, o faz pensar que os dois termos podem ser aplicados para designar a mesma substância. Mas isso não é verdade.

Acredito que um dos grandes motivos para a enorme confusão entre os dois termos, fora, é claro, o desconhecimento, é a tradução malfeita dos livros e textos em inglês e dos programas originais em inglês da TV a Cabo, como Discovery, Animal Planet e NetGeo. Explico.

Ingleses e americanos costumam empregar corretamente as expressões em inglês venom e venomous (peçonha e peçonhento, respectivamente) e poison e poisonous (veneno e venenoso). Entretanto, quando o texto ou programa chega para a tradução, a expressão em inglês “venomous marine animals” é traduzida erroneamente como “animais marinhos venenosos”, quando o certo seria “animais marinhos peçonhentos”, pois o termo correto para animais marinhos venenosos é “poisonous marine animals”.

 

szpilmancapa

 

Por isso, vale a pena esclarecer a diferença entre peçonha e veneno, pois, infelizmente, até mesmo alguns biólogos desconhecem e empregam os termos de forma incorreta.

Peçonha: é uma substância (uma toxina ou mistura de várias toxinas) de origem estritamente animal, produzida por uma glândula, capaz de alterar o metabolismo de outro animal quando inoculada através de um aparato natural do animal (espinhos, dentes e outros). A toxina é injetada no corpo da vítima através da pele intacta. Exemplo: cobras, aranhas, escorpiões, águas-vivas e peixes peçonhentos, como o peixe-leão, o mangangá e a raia.

Veneno: é uma substância (toxina) de origem animal, vegetal ou mineral, porém não é produzida por glândula e não é inoculada naturalmente. A toxina entra no corpo através dos tratos digestivo (ao ingerir) ou respiratório (ao respirar) ou por absorção através de um tecido intacto, como a pele ou mucosa. Usualmente, os animais venenosos são aqueles que produzem envenenamento (intoxicação) quando ingeridos, na maioria das vezes ainda frescos, pois apresentam secreções tóxicas em seus organismos, como alguns peixes, como o baiacu, e algumas plantas.

Então, cobras, escorpiões e aranhas são animais peçonhentos que podem inocular peçonha. Só seriam venenosos se, ao comê-los, provocassem envenenamento.

Pode parecer exagero insistir nessa diferença, mas saber a forma certa e falar corretamente é sempre de bom tom. Há, no entanto, a opção de se continuar falando errado, como “ela está ‘meia’ gripada”. Essa é uma decisão de cada um.

 

 

Sobre Marcelo Szpilman

Marcelo Szpilman, biólogo marinho, é autor de oito livros publicados, sendo cinco nas áreas de peixes, tubarões e outros seres marinhos. É o idealizador, fundador e presidente de honra do AquaRio e diretor-presidente do Instituto de Conservação Marinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você também curta: