Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Sandices humanas perversas

Você acredita que a pata de urso tem algum poder afrodisíaco?

Pois é, algumas crendices populares como essa, baseadas em pretensos efeitos afrodisíacos de partes do corpo de animais mortos com esse propósito, tornaram-se sandices estúpidas, por não terem qualquer base científica comprovando seu poder afrodisíaco, e perversas, por serem ações cruéis predatórias que colocam diversas espécies da fauna selvagem em risco de extinção.

 

 

A ganância humana criou mercados ilegais extremamente lucrativos que demandam a morte brutal de milhões de tubarões nos oceanos, apenas por suas barbatanas, de milhares de tigres na china, por seus pênis, e centenas de ursos pardos na Rússia para obtenção de suas patas.

As patas de ursos pardos, consideradas afrodisíacas pela medicina alternativa oriental, que têm levado à matança desses animais na Rússia, são exportadas ilegalmente e servidas como iguarias exóticas em restaurantes da China, da Coreia do Sul e de outros países asiáticos. Uma sopa feita com patas de urso pardo pode chegar a valer o equivalente a mil dólares. Mas outras partes dos ursos, como os testículos, o fígado e a vesícula biliar, também são servidas aos fregueses.

A população de ursos pardos da Rússia caiu 36% em dois anos por causa da matança desenfreada de animais da espécie. Dos 225 mil animais registrados no país restaram 143 mil. Se as mortes seguirem esse ritmo, a espécie estará à beira da extinção em seis anos.

Preocupado com a matança, o governo Putin ordenou novas medidas protetivas da espécie. Uma nova lei, a ser aprovada, prevê a condenação a dez anos de prisão para os caçadores ilegais. No ano passado, a polícia federal russa apreendeu 468 patas na região de TransBaikal, nas proximidades da fronteira com a China.

É preciso acabar com essas crendices populares nada inofensivas. É preciso informar a sociedade sobre o dano considerável que essas sandices humanas perversas têm provocado na conservação de muitas espécies topo de cadeia em seus ecossistemas.

 

 

Sobre Marcelo Szpilman

Marcelo Szpilman, biólogo marinho, é autor de oito livros publicados, sendo cinco nas áreas de peixes, tubarões e outros seres marinhos. É o idealizador, fundador e presidente de honra do AquaRio e diretor-presidente do Instituto de Conservação Marinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você também curta: