Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Simples educação faz diferença

Tenha atitudes corretas e responsáveis em favor da natureza

Aquecimento global, desertificação, desmatamento, pesca predatória, poluição, perda de biodiversidade e escassez de água. Quem já não ouviu falar destes problemas? Não é de hoje que vemos esses temas tratados diariamente na mídia e, geralmente, isso nos traz um sentimento de impotência diante da sensação de que nada podemos fazer de forma individual. Mas essa é uma impressão falsa.

 

 

Excetuando quesitos globais, muitas questões podem sofrer interferências locais. Ou seja, nossas ações individuais, que não requerem grande esforço para serem colocadas em prática, podem fazer diferença. Que tal começar com três atitudes simples de educação e consciência facilmente assumidas por todos?

 

1 – Evite o desperdício de água em sua casa

Ações simples e diárias, que dependem apenas da sua conscientização, podem racionalizar o desperdício e economizar mais de 100 litros de água por dia em sua casa. Pense nisso! Veja três exemplos abaixo:

Escovar os dentes – Fechar a torneira enquanto se escova os dentes, usando a água de um copo para enxaguá-los, pode proporcionar uma economia de até 11 litros.

Barbear – Fechar a torneira enquanto a água não estiver sendo utilizada para lavar as lâminas pode proporcionar uma economia de até 10 litros.

Tomar banho – Fechar o chuveiro enquanto se ensaboa corpo e cabelos, diminuindo o tempo de banho para 10 minutos no máximo, pode proporcionar uma economia de até 90 litros.

 

2 – Não jogue lixo na praia

Todos nós gostamos de frequentar uma praia limpa com a areia branquinha, mas poucos sabem que mantê-la limpa vai além do aspecto puramente visual. Canudinhos, pontas de cigarro, tampinhas e sacos plásticos descartados de forma incorreta poluem os oceanos e podem provocar uma significativa mortandade de inocentes animais marinhos.

Na próxima vez que for à praia, seja educado e consciente. Não custa nada levar um saco plástico para jogar seu próprio lixo e quando for embora levá-lo com você para ser descartado corretamente na lixeira.

 

3 – Seja um consumidor responsável

Se você soubesse que as maçãs estão acabando, não trocaria seu consumo por outras frutas? Pois é, existem diversas espécies de peixes e cações que estão acabando e sua não extinção depende de ações simples e imediatas de consumo responsável.

A conscientização dos consumidores pode contribuir para a queda na demanda e no comércio. Basta parar de consumir essas espécies e substituí-las por outros peixes marinhos, por peixes provenientes de criações sustentáveis, como salmão, truta, tambaqui, tilápia e alguns peixes de água salgada, como pijupirás e garoupas, ou por outros tipos de carne.

 

Veja abaixo quais são as espécies de peixes marinhos que devem ser evitadas e aquelas que estão livres para o consumo:

 

1 – Espécies que NÃO PODEM E NÃO DEVEM SER CONSUMIDAS

Entre os peixes comerciais famosos, temos: cação-anjo, raia-viola, peixe-serra, surubim, cioba, badejo-tigre e mero.

Obs: EVITE o famoso filé de viola, pois muitas peixarias comercializam o filé do cação-anjo como se fosse o filé da raia-viola. E ambos estão seriamente ameaçados.

 

2 – Espécies que DEVERIAM SER EVITADAS

Entre os peixes comerciais famosos, temos: atum, badejo, cherne, corvina, enchova, garoupa, merluza, namorado, pargo, pescadinha-foguete, sardinha-verdadeira, tainha e vermelho.

Obs: Com relação aos tubarões (ou cações), o ideal seria que pudéssemos evitar somente o consumo das espécies que hoje estão ameaçadas de extinção, como o cação-anjo, a mangona e os tubarões-martelo, mas infelizmente isso não é possível. Não há como “carimbar” a carne de cação proveniente das espécies não ameaçadas. Assim, o correto seria cessar o consumo geral de toda a carne de cação.

 

3 – Espécies LIBERADAS PARA O CONSUMO

Entre os peixes comerciais famosos liberados temos: abrótea, agulha, albacora, batata, baúna, bicuda, bijupirá, bonito, caranha, carapeba, castanha, cavala, cavalinha, cocoroca, congro, congro-rosa, dourado, galo, linguado, manjuba, michole, olhete, olho-de-cão, pampo, peixe-espada, pescada, piranjica, piraúna, robalo, sororoca, tira-vira, trilha, xáreu, xerelete e xixarro.

 

 

 

Sobre Marcelo Szpilman

Marcelo Szpilman, biólogo marinho, é autor de oito livros publicados, sendo cinco nas áreas de peixes, tubarões e outros seres marinhos. É o idealizador, fundador e presidente de honra do AquaRio e diretor-presidente do Instituto de Conservação Marinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você também curta: