Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Cultura do “Deixa pra Lá”

Com grande frequência nos deparamos com situações de desvio de conduta que fogem aos padrões morais (ou éticos) sem nos importarmos. Deixamos pra lá como que anestesiados pelo costume complacente. E não estou falando dos crimes de corrupção, falcatrua ou suborno cometidos em total desprezo às leis, mas sim das rotineiras transgressões que muitas pessoas cometem sem se dar conta e também das muitas ações predatórias e cruéis contra a fauna selvagem.

Um bom exemplo é o uso da carteira de estudante falsa para pagar meia-entrada. Milhões de pessoas se utilizam dessa artimanha e lesam cinemas, teatros e shows em 15, 30 ou 90 reais em um único ingresso. E se uma dessas pessoas falsificasse a sua assinatura num cheque de 15, 30 ou 90 reais. Você deixaria pra lá?

Outro exemplo é o lixo descartado nas áreas públicas. Milhares de pessoas jogam lixo nas ruas e emporcalham nossa cidade. E se uma delas jogasse lixo na sua sala, você deixaria pra lá?

 

szpilmandeixapralá

 

Quer mais um? Centenas de pessoas compram, nas feiras e estradas, animais silvestres retirados de seu ambiente natural. E se alguém retirasse seu animal de estimação de sua casa para vender na esquina, você deixaria pra lá?

Pois é, a funesta combinação de crendices populares estúpidas (maioria relacionada a pretensos efeitos afrodisíacos de partes do corpo de animais) com a ganância humana tem provocado ações cruéis predatórias contra a fauna selvagem nos últimos 40 anos acobertadas pela cultura do “deixa pra lá”.

Milhões de tubarões são mortos nos oceanos apenas por suas barbatanas, milhares de tigres são caçados na china apenas por seus pênis, centenas de ursos pardos são mortos na Rússia para obtenção de suas patas e dezenas de elefantes são abatidos na África somente por seus marfins, mas nós continuamos deixando pra lá.

Os valores morais, éticos e ambientais da sociedade devem ser prezados, ainda que alguns insistam em desqualificar essa conduta. O certo é ser correto. O certo é ser sustentável. O certo é preservar a Natureza.

Tenha atitude! Não deixe pra lá! Apoie e participe de ações e projetos respeitados por seu trabalho correto em favor das causas sustentáveis e de conservação.

 

Sobre Marcelo Szpilman

Marcelo Szpilman é autor de oito livros publicados, sendo cinco nas áreas de peixes, tubarões e outros seres marinhos. É o idealizador, fundador e presidente de honra do AquaRio e diretor-presidente do Instituto de Conservação Marinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você também curta: